100 anos das Flores de Maio de José Engling!

Nosso Pai e Fundador, dizia que anos jubilares são anos de recordação. Recordemos pois, o maio de 1916, mais precisamente o maio de José Engling, que movido por um grande amor à sua Rainha colheu as mais belas flores no jardim de seu coração filial e a depositou no Santuário como símbolo de sua entrega  à Obra e Missão de Maria, nossa Rainha de Schoenstatt.
Assim nos relata a história: “Na Páscoa de 1916, por causa das dificuldades de alimentação no Seminário, todos os alunos tiveram a permissão de passar as férias em casa. Para Engling, porém uma viagem tão longa não compensava. Ficaria, pois, em Schoenstatt; seria um boa oportunidade para estar um pouco a sós consigo mesmo.
Certa manhã, no estudo, lia o poema de G.Weber: “As treze trilhas”, quando erguendo os olhos, ficou a contemplar a natureza que despertava com a chegada da primavera. Azaléias e bétulas balançavam suas pequena corolas matizadas. Os abetos, até há pouco, vergados de neve, ressoavam de cantos. E a brisa, vinda de longe, das cerejeiras floridas, convidava a um contato maior com a natureza. Largou o livro e saiu a caminhar. No seu enlevo, pareceu-lhe ouvir a voz da primavera, segredando-lhe: “Hoje é o primeiro de maio. É por isso que os bosques e os prados andam nessa atividade febril. Cada qual se esmera em preparar a sua Rainha as mais belas homenagens com perfumes e flores. Não quer você também associar-se a esse preito da natureza?”
José voltou para casa tomou o seu caderno e escreveu: “Flores de maio do jardim do meu coração, oferecidas à Rainha de maio em seu mês de 1916.
Mãe a ti seja consagrado o jardinzinho de meu coração; para ti quero plantar e cultivar:
A Rosa do amor e da estima
Quero que esta rosa simbolize a ti, Mãe. Assim como a rosa é a rainha das flores, sê tu a Rainha do meu coração. A tua disposição minha soberana, ponho tudo o que tenho, em especial:
 
*      atos de entrega a ti
*      promover a tua honra
*      leituras referente a ti
*      conversações referentes a ti
*      saudações à tua imagem
*      visitar a Capelinha da Congregação
*      terço
*      comunhão
*      comunhão espiritual
*      atos de apostolado
*      fazer de ti o ponto central de meu dia
*      jaculatórias
 
O miosótis da fidelidade a teu serviço. Quero ser-te fiel por estes meios
*      rezar bem as orações dos congregados
*      preparar a reunião
*      fazer com atenção a leitura espiritual
*      estudar com afinco
*      guardar silêncio na sala de estudos
*      silêncio ao toque da campainha
*      cumprir com exatidão os meus trabalhos
*      fazer particularmente bem a minha cama
*      ter ordem na carteira
*      ser dócil as inspirações da graça e da consciência
 
A violeta da humildade e da modéstia a cultivarei  procurando:
*     aceitar as correções com paciência
*     perdoar as ofensas
*     obedecer com alegria
 
A flor da paixão e do amor ao sacrifício desabrochará pelo:
 
*      paciente aturar das coisas desagradáveis
*      comportamento cheio de atenções
*      cortesia
*      domínio de mim mesmo à mesa
*      cumprimento exato do exame particular
*      leitura do livro de boas maneiras
*      leitura do regulamento
*      prestar favores
*      outros sacrifícios
 
O lírio da Pureza
 
*      vigiar os olhos especialmente no
*      dormitório
*      silêncio no dormitório
*      implorar a pureza na santa comunhão
 
A seguir escreveu esta oração: ‘Rainha de maio, minha Mãe e Rainha! A ti consagro este mês. Tudo o que me pertence seja propriedade tua, e eu teu fidelíssimo escravo. Não quero ter outra vontade senão a tua. Ainda que me tenhas reservado somente o inferno quero suporta-lo por teu amor. Tu, porém ó Mãe sabes como sou fraco, quantas vezes deixei de cumprir meus propósitos e corresponder às tuas intenções. Por isso Mãe, ajuda-me, principalmente a fazer bem o exame particular. Mãe!’(…)
 
Dia a dia José se acercava do ‘jardinzinho de seu coração’ e ali colhia ramalhetes para o Capital de Graças. Cada “flor” era anotada na caderneta do controle espiritual com um traço à margem do propósito correspondente. Somados estes traços obteve o total de 1712, ou seja uma média de cinqüenta e cinco por dia. Realmente, maio fora o mês florido de seu jovem amor.”[1]
 
Assim, como José Engling, neste ano da Misericórdia, à luz do lema: “Misericordiosa como o Pai, Tabor dos novos tempos”, queremos oferecer muitas flores de maio à nossa Rainha dos Lírios, cultivadas no jardim de nosso santuário-coração.

 


[1] Herói de duas espadas, p:95-97

Seja o primeiro a comentar em "100 anos das Flores de Maio de José Engling!"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*