Conhecendo um pouco mais o Pe. José Kentenich: Comemoração Jubilar do 20 de janeiro

      Pe. José Kentenich sempre anunciou o homem livre e formou muitas personalidades autênticas, que agiam a partir de uma decisão interior.  Sua proposta de liberdade e autonomia foram alvo de perseguição por parte do Nazismo. Por isso ele foi preso pela Gestapo (Polícia Secreta na Alemanha no período da guerra) e encaminhado a um Campo de Concentração na cidade de Dachau, sul da Alemanha. Ele tinha a possibilidade de se esquivar do Campo por ter uma saúde debilitada, mas acreditou que Deus lhe pedia essa prova de amor e que, por meio da prisão, lhe proporcionaria ocasiões de evangelizar, de propagar a missão de Schoenstatt e de ajudar inúmeras pessoas a encontrarem sua liberdade interior e a paz.
       Quando esteve preso na cidade de Coblença, no dia 20 de janeiro se 1942, toma livremente a decisão de ir para o Campo. Ele mesmo nos conta:
       “A noite inteira lutei comigo mesmo para reconhecer a vontade de Deus. Então tive clareza. Não vou aceitar a solicitação. Se posso escolher e decidir, então, para mim deve ser a morte, algemas, e para a Família (Movimento de Schoenstatt), a liberdade. Assim foi minha decisão. Não quero ficar livre por meios humanos. Se Deus quer minha liberdade, então será somente por meio de uma intervenção sobrenatural. […] Assim, no dia 20 de janeiro de manhã, durante a Missa, ofereci conscientemente minha liberdade.”[1]
      Ele celebrou muitas Santas Missas na prisão, antes de ser deportado para o Campo e tinha como atitude interior a súplica: “Cuida que todos os que me confiaste, aprendam a amar Jesus, a viver e a morrer por Ele. […] Com prazer carrego eternamente sombrias cadeias de escravo, para salvar a liberdade da Família…”
      O cumprimento do plano divino nunca aliena, mas requer audácia. Por isso, Pe. Kentenich explica que sua luta pela liberdade interior vai além e não depende da liberdade exterior. Em Dachau, ele lutou pela verdadeira liberdade, sendo livre de si mesmo e de tudo o que é contrário aos planos e à vontade de Deus.
      Após tomarmos contato com essa realidade, nos perguntamos pessoalmente: Qual é o meu pequeno Dachau? Como posso vencer em mim as algemas do comodismo, da indiferença e do relativismo no pequeno espaço de minha vida?
      Diante de um exemplo de vida tão grande e edificante, somos convidados a pedir que nossa Santa Mãe Igreja reconheça a santidade do Pe. José Kentenich e, para isso, rezemos por sua beatificação.
Oração para beatificação do Padre José Kentenich:
Deus Pai todo-poderoso, és o amor e a misericórdia. Somente tu, como Pai onisciente, compreendes tudo o que se passa em mim. Ajuda-me, Pai de bondade, nesta minha grande aflição. Atende-me por intermédio do Pe. José Kentenich. Como fiel sacerdote ele amou tanto a tua Igreja peregrina e procurou conduzir todos os que dele se aproximavam a um amor pessoal a ti. Foi sábio e humilde conselheiro para todos os que dele precisaram. Concede-me, Pai eterno, por intercessão do Pe. José Kentenich, especialmente a graça:
(Pausa para pedir a graça, em silêncio.)
Em sinal de gratidão, eu te ofereço o precioso sangue de Cristo, nas intenções da Santa Igreja e por todos os que se encontram em grandes aflições.
Querida Mãe, Rainha e Vencedora Três Vezes Admirável de Schoenstatt, roga ao Pai Eterno, que conceda ao Pe. José Kentenich a honra dos altares, como recompensa por todo o bem que fez à Igreja, para teu louvor e a glória da Santíssima Trindade. Amém.
Glória ao Pai. (3x)
 

 FONTE DE PESQUISA: Manuscrito de Pe. José Manuel Lopes Herero – Por tuas cadeias, Pai de nossos povos – para o jubileu do 20/01 de 1992.


[1] KENTENICH, José. Triunfo da Fidelidade.

Seja o primeiro a comentar em "Conhecendo um pouco mais o Pe. José Kentenich: Comemoração Jubilar do 20 de janeiro"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*