Dia do farmacêutico – Mundo Profissional

Meu nome é Thaís, sou farmacêutica formada pela Universidade Estadual de Londrina e participo da Jufem de Campinas. Nesse dia 20 de janeiro, dia do Farmacêutico, gostaria de compartilhar com vocês um pouco da minha história, o que me levou a escolher o curso de Farmácia e como foi minha caminhada por ele. Além disso, irei contar como comecei a participar do maravilhoso Movimento de Schoenstatt.
É sempre muito difícil escolher nossa profissão! Diante da minha falta de conhecimento prático das várias áreas de atuação, fui me direcionando pelas matérias que tinha mais afinidade na escola e optei pela área da saúde. Fiquei em dúvida de qual curso fazer, mas acabei por escolher farmácia pela diversidade de áreas de atuação da profissão.
Áreas essas que vamos ter contato mais ao final do curso, pois, antes disso,temos que passar pelas matérias que irão nos embasar. E é aí que a conversa com Deus começa a mudar, porque se antes pedíamos para não errar o curso, agora pedimos para sobreviver a ele!
Demora, mas as várias químicas passam, as matérias que você não via muito sentido também e eu me deparei com as grandes áreas da farmácia: análises clínicas, indústria farmacêutica e de alimentos. Por meu TCC ser mais voltado para área de indústria farmacêutica pensei ser essa área que iria atuar, mas os planos de Deus nem sempre são iguais aos nossos; todos os meus estágios do último ano da faculdade me levaram para a área de alimentos e a mudar meus pensamentos do que faria depois de formada.
Tive oportunidades incríveis de fazer estágio: no Instituto de Tecnologia de Alimentos – ITAL, em Campinas; ir para o Japão, fazer um curso de segurança alimentar, onde visitei várias indústrias de alimentos, e estagiar em uma indústria que trabalha com aveia. Todas essas experiências me levaram a querer seguir por essa área e resolvi fazer mestrado.
Hoje moro em Campinas e sou da primeira turma de mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos do ITAL. E toda essa trajetória até aqui, longe da minha cidade, Cambé, no Paraná, tenho certeza que tem sido guiada por Deus e pela MTA. Sinto que ao participar mais ativamente das pastorais e movimentos da Igreja tive um enorme crescimento na minha fé e aproximação de Deus.
Quando passei no vestibular, para agradecer essa graça, comecei a ser catequista e, no mesmo ano, ingressei em um grupo de oração da RCC, chamado “Fruto Eterno”. Ao vir para Campinas no ano passado, comecei a dar catequese e,através de um retiro do Crisma, que o pessoal do Movimento de Schoenstatt organizou, eu os conheci.
Somente conhecia o Santuário de Londrina, mas não sabia detalhes do Movimento. Entretanto, neste dia, as meninas da Jufem me falaram de Schoenstatt, do Pai e Fundador e um pouco de sua história de formação. Foi lindo a forma como elas falaram, o amor que demonstraram e resolvi começar a participar.
Hoje sou muito feliz por estar na Jufem e por ter minhas irmãs de grupo. Acho maravilhosa essa forma do Movimento se organizar como uma família, em que podemos compartilhar o que Deus faz por nós e aprender cada vez mais a convidar a MTA para caminhar conosco.

Texto de Thaís Dolfini Alexandrino, 23 anos, participante da Jufem Campinas – SP

1 Comentário em "Dia do farmacêutico – Mundo Profissional"

  1. Tata, amei o depoimento! :*

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*