Encontro Nacional: um chamado ao ideal

Estando a 8000 quilômetros longe de casa, é impossível não sentir saudades. Saudade de tudo: da família, da comida, das comodidades, da facilidade de comunicação e, no meu caso, da minha vida no dia a dia com a Jufem.  “Vem Nacional” era o comentário na página da Jufem e o anseio de participar começou a crescer. O Cor Unum em 2013 tinha me dado boas amigas no Brasil e achei que o Nacional era a desculpa perfeita para me reencontrar com elas.

Com certeza eu fui completamente abençoada pela MTA ao ser acolhida pela Família Mafra, que depois de muito tempo sozinha, me fez sentir amada e em família.  Ainda faltavam dois dias para o Nacional e eu já estava me lembrando de por quê aceitei ser uma aliada de Maria. Para as pessoas que não conhecem Schoenstatt, é um absurdo o fato de ter mais de 500 meninas vindo de todo Brasil, no meio de um feriado, para ter um encontro com nossa Mãe de Deus. Para meus amigos estrangeiros era uma perda de oportunidade de viajar e conhecer algum outro lugar, mas, para nós, é simplesmente o ideal de ser uma pequena Maria no mundo massificado de hoje, é ir contra a corrente.

Durante o Nacional, as vozes do tempo e do ser foram se fazendo muito mais claras quanto ao que eu estava presenciando e ao efeito que isso teria na minha vida. Fui testemunha de reencontros, entregas de amor, novos corações para a Mãe, meninas se unindo para viver mais uma vez o carisma de nosso movimento. Essa emoção e entrega da Jufem, seja do México ou do Brasil, era o que estava faltando na minha vida desde que comecei esse intercâmbio. As palestras de Ir. M. Diná e Ir. M. Lidiane foram um chamado! Chamado este para me lembrar dos ideais pelos quais vivo. Irmã Lidiane falou: “Nós temos um compromisso com as gerações futuras”; permaneçamos fiéis e sejamos aquelas que garantem o Reino. Pessoalmente, um dos momentos mais lindos do Nacional foi quando pela a primeira vez que a Jufem, sem distinção de província ou cidade, se abraçaram, cantaram e se entregaram à MTA na Consagração, nesse amor que houve para viver o Nacional.

O que foi vivido nesse final de semana e as amizades feitas serão lembradas sempre; mais uma vez fica demonstrado que seja qual for a cidade ou país, chegar ao Santuário é chegar em casa. Agradeço infinitamente a oportunidade que a Mater me deu de fazer parte dessa história, de conhecer as pessoas que fazem do ordinário algo extraordinário, pessoas que vivem Schoenstatt. Após esse Nacional, não apenas lutarei para ser Como Filha Imaculada, Instrumento do Pai; também quero ser Lírio do Pai, Tabor para o Mundo.

“Ficamos nisso…”

Mariana Rincón González

12015414_10153722965910774_1672234146_o 12050805_10153722945795774_1920010445_o 12041155_10153722957450774_1198871797_o 12043933_10153722942340774_522864541_o

Seja o primeiro a comentar em "Encontro Nacional: um chamado ao ideal"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*