Entrevista – Gabriela Kast e o testemunho de quem conviveu com Bárbara

Em mais um “Vale a pena reler”, convidamos vocês a se lembrarem das palavras da irmã de Bárbara Kast, publicado em 2012, um lindo testemunho de quem teve a oportunidade de viver ao lado de uma heroína de Schoenstatt:

 

No final do mês de setembro, no Santuário da Permanente Presença do Pai – Atibaia/SP, aconteceu o Encontro Internacional da União das Mães. Durante o evento um sobrenome chamava a atenção entre as participantes: Kast. A curiosidade não era coincidência.

Gabriela Kast não apenas tinha o mesmo sobrenome, ela é uma das irmãs mais novas de Bárbara Kast. E qual não foi a alegria em saber que ela aceitou receber durante um rápido intervalo do encontro a “Jufem Brasil” para uma entrevista!

A surpresa pelo interesse por Bárbara era grande. Ela não imaginava o quanto sua irmã é conhecida e admirada pela Juventude Feminina brasileira. Falante, foi ela quem começou a entrevista querendo saber sobre as jovens e desde quando conheciam a história de Bárbara. Sem mal dar tempo para ligar o gravador já começou a disparar:

Sou Gabi Kast, irmã de Bárbara Kast. Sou 10 anos mais nova que ela e tinha 8 anos quando ela morreu. As lembranças que tenho dela são de uma pessoa muito alegre, divertida e que gostava muito de esportes. Era também muito ligada a família. [quote]Me impressiona, depois de tanto tempo, como aos 18 anos ela descobriu Schoenstatt, ao Padre Kentenich e a Mãe com essa profundidade, que eu agora, com meus 52 anos ainda busco captar. Me custa entender que com essa idade ela tinha uma maturidade tão grande. [/quote]Aos 18 ainda somos tão meninas, buscamos outras coisas…agora me chama muito atenção, mas na época não a via como alguém diferente, era alguém muito próxima: minha irmã.

Jufem Brasil – E como é para sua família ver a importância de Bárbara para o Movimento de Schoenstatt?

Para a família ela é nossa irmã, é muito natural. Meus pais ainda estão vivos, tem 84 anos, e eles sabem da importância de Bárbara para Schoenstatt. Muitas pessoas do mundo todo escrevem para eles contando dela. Eles também sempre nos contaram muito dela e nos fizeram crescer com ela. Estão mortos 3 dos meus irmãos: Miguel, Bárbara e Mônica. Então minha mãe diz: já tenho 3 no céu, faltam 7 que cheguem. E eles sempre são muito presentes para nós. Como minha mãe já tem 84 anos sempre diz: Já me falta pouco para vê-la. É uma grande alegria para ela saber que em pouco tempo estará com Bárbara. É muito bonito.

Jufem Brasil – Qual sua recordação mais bonita dos anos com Bárbara?

Não tenho muitas recordações, pois era muito pequena. Porém, me lembro que era uma excelente esportista, gostava de andar a cavalo. Tinha seu próprio cavalo, branco, nos emprestava sempre…

Eu imitava Bárbara em tudo! Se ela desse uma cambalhota eu imitava… tudo, tudo!! (risos) Nossos pais moravam no campo e nós na cidade, então ela rezava conosco [Gabi e os irmãos mais novos], nos levava ao colégio. Sua grande preocupação era rezar conosco.

Ela também era esquecida! Uma vez me levou ao colégio e depois se esqueceu de mim lá. Eu estava muito triste por ter sido esquecida e ela ria muito.

[quote]Bárbara tinha uma personalidade de muito caráter, muita força. Se alguma coisa não estava bem feita não lhe agradava. Era muito prestativa, trabalhava muito! [/quote]

 

O dia da morte de Bárbara…

Nós vivíamos no campo, a 50 minutos de Santiago (capital do Chile), e ela tinha que ir preparar uma aula de Matemática. Pela primeira vez minha mãe não a acordou, sempre era ela quem chamava Bárbara. Mas desta vez ela acabou dormindo mais, e Bárbara saiu dizendo “Vou indo, vou indo!”. E minha mãe disse “Não vá sozinha, leve seu irmão menor para que te acompanhe!”. Porém Bárbara insistiu e saiu sozinha. Ao sair com o carro colidiu com um senhor que não enxergava bem, tinha um olho de vidro, e dirigia embriagado. A colisão foi pela lateral e Bárbara não morreu instantaneamente, suas últimas palavras foram “Mamãe”.  Quem a recebeu no hospital para onde foi levada foi um médico schoenstattiano e foi muito emocionante justamente ele poder recebê-la. Estavam todos em Família.

A polícia chegou a minha casa e levaram meus pais até onde estava Bárbara. Depois trouxeram o corpo para casa.

Meu pai foi muito sábio, sempre disse: “Cada um tem sua hora. Deus sabe o porquê, o minuto e a hora.”

É preciso ver tudo com os olhos da fé.

Isso de minha irmã ter morrido tão jovem [Bárbara – 18 anos] ,  Mônica, minha outra irmã [com 2 anos] , e também Miguel com apenas 33 anos, me traz como mensagem que a vida é curta. É preciso aproveitá-la. A juventude passa muito rápido. [quote]Temos que lutar para viver cada minuto. Quando somos jovens não pensamos nisso, mas nossa Mãe nos quer educar assim como Bárbara se deixou educar, com seu exemplo de maturidade, com um caminho que nos mostra  que todas somos “portadoras de Cristo para o mundo”. Temos que tomar consciência dessa missão.[/quote]

Jufem Brasil – Depois de ler a biografia de Bárbara nos impressiona muito a forma com que seus pais encararam a morte dela, como foi isso?

Foi a primeira vez que vi meu pai chorar. Nunca tinha acontecido isso, mas ele chorou por algum tempo e depois o sorriso voltou aos seus lábios. E depois os dois [pais] sempre tranquilos, nunca com uma cara triste. Sempre com vida. Eles compreenderam, aceitaram, sabem que ela está conosco de alguma forma. E principalmente: que ela era um exemplo.

Jufem Brasil – Quando você começou a participar de Schoenstatt?

Eu comecei a participar muito jovem, aos 14 anos…mas era muito “light”, não participava com a mesma profundidade, vivia nas nuvens, estava preocupada com as festas, os bailes: viver a juventude….também era esportista! (risos)

O tempo passou, constitui minha família. Tenho 8 filhos e meu marido não era de Schoenstatt, então logo que casei participei de Schoenstatt por 5 anos. Depois tive que sair e decidi que não voltaria enquanto meu marido não encontrasse seu caminho na Igreja. Hoje ele participa da Opus Dei, e eu de Schoenstatt, e ele me respeita, me apoia. Somos uma família muito religiosa. E gostaria de dizer que o papel da mãe na família é muito importante.

 

– Uma mensagem para Jufem Brasil…(esta era uma das perguntas elaboradas, mas a conversa flui tão naturalmente que neste ponto Gabriela deixa uma mensagem muito bonita sobre o papel da MULHER!)

Se há algo importante que vale dizer para Juventude é que vocês são as futuras mães. E isso marca muito. O que foi Bárbara também se deve muito ao exemplo de nossa mãe, que sempre rezou por nossa pureza, transparência…

Que a Juventude tome isso muito a sério! Vocês vão ser mães, profissionais, Irmãs de Maria…mas [quote]é preciso que saibam viver a vida ao máximo! Isso é o que fez Bárbara. [/quote]

 

Gabriela ficou muito impressionada ao saber que a biografia de Bárbara já estava traduzida para o português. Comentou que já tinha em espanhol, inglês e alemão…e que gostaria de levar uma em português para seus pais verem.

Mesmo depois de desligar o gravador a conversa continuou animadamente e foi a oportunidade de contar que também já tínhamos vivenciado um testemunho pessoal sobre Bárbara através da Ir. Aleja, que há alguns anos durante uma Jornada da Jufem contou sobre como era a jovem Bárbara: que gostava de festas, de se arrumar para sair….uma jovem como todas nós.

Neste momento Gabriela concorda e recorda que Bárbara não era uma jovem “contemplativa”, apesar de sua profundidade e maturidade na vida espiritual. Bárbara cresceu como uma jovem comum, usava minissaia (moda da época) e era vaidosa – palavras de Gabi. Um testemunho que marca nossa Juventude Feminina e nos lembra tanto as palavras do Papa João Paulo II : “Santos que estejam no mundo e que saibam viver no mundo”. Assim foi Bárbara: uma heroína além de seu tempo, e por isso ainda um exemplo para toda Jufem do mundo!

 

 

Por: Jaqueline Montoya – Jufem Atibaia


*Bibliografia Complementar*

Para saber mais sobre Bárbara procure pelo livro de sua biografia com sua assessora:

lv_6

Bárbara Kast- Tabernáculo de Deus, portadora de Cristo e de Schoenstatt aos homens

Pe. Esteban Uriburu

 

Uma breve descrição de sua vida pode ser encontrada aqui:

http://www.maeperegrina.org.br/schoenstatt/herois/barba-kast/

 

Ou, se quiser arriscar no espanhol acesse esse perfil mais completo:

http://www.5panesy2peces.com.ar/materiales/schoenstatt/barbarakast.html

 

Seja o primeiro a comentar em "Entrevista – Gabriela Kast e o testemunho de quem conviveu com Bárbara"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*