Entrevista – Uma vez Jufem, sempre Jufem!

Maria Clara Kreling (mãe da Thais da JUFEM Londrina), Maria Helena e Bernardete Ponce. As três foram do mesmo grupo na JUFEM (geração 1981) e pertencem ao mesmo Curso da União de Famílias atualmente

Já entrando no clima do encontro Nacional a Coluna Entrevista de hoje tem um tom bem especial! Nossa entrevistada tem um histórico invejável como Jufem e aceitou compartilhar como as “eternas Jufens” observam a movimentação da nossa Geração em preparação para o Nacional e também por toda história que estamos conquistando ao longo dos últimos anos.

Se o Pai Fundador dizia “Que as futuras gerações nos julguem….”, é a vez das “antigas” gerações contarem o que pensam de nós também!

Então, sem mais demoras apresentamos Maria Helena Dantas de Menezes Guariente, que fez parte da JUFEM Londrina e se prepara para receber a Jufem Brasil para o Nacional. Maria Helena está no Movimento de Schoenstatt desde a infância. Ela nos conta “fui do Reino Infantil, depois Luz do Reino e JUFEM até me casar. Foram anos de muitos encontros, amizades e crescimento na Aliança de Amor pela vinculação à MTA, ao Santuário e ao Pai e Fundador. Sou membro da União de Famílias e atualmente junto com meu esposo Laércio somos Dirigentes da União de Famílias da Região Paraná. Temos grande alegria porque nossos filhos fazem parte do Movimento desde crianças, sendo que as duas meninas – Suzana e Viviane são da JUFEM e o Vitor do JUMAS. O Santuário-Lar Nova Família do Pai em nossa residência tem sido nosso ponto de contato familiar para orações, agradecimentos, pedidos e conquistas. Ali a MTA foi coroada como Rainha da Saúde (física, espiritual e emocional) e tem atuado como nossa Educadora e Intercessora. Temos como família grande amor ao Movimento sendo que os “papos” em casa como nas viagens, geralmente giram em torno às atividades dos ramos. Podemos dizer que nossa família é Schoensttiana de carteirinha!

E depois de uma apresentação dessas é a vez da Jufem Brasil perguntar!

Jufem Brasil – Como é para senhora ver a Jufem de hoje em relação a sua geração? Os desafios são os mesmos?

Maria Helena – Ser da JUFEM hoje é um presente e também missão. Presente porque ao participar deste ramo a jovem é inserida na pedagogia de Schoenstatt e recebe formação moral e religiosa que a ajuda na formação de sua personalidade, isto é, ser uma jovem alegre, com valores, atitudes e virtudes que almejam pelo ideal da pureza ser a nova mulher que impregna o ambiente ao seu redor renovando-o segundo a vontade de Deus Pai! Com certeza é também grande desafio porque no dia-dia a jovem tem que lutar bravamente contra a massificação de um tempo que realça valores anti-família, o individualismo, o prazer e o descarte nas relações humanas. [pullquote_left]Não é fácil, mas pela Aliança de Amor, a jovem sabe que não está sozinha, pois conta com as graças que a Mãe e Rainha presenteia a partir do Santuário![/pullquote_left] Penso que os jovens hoje precisam estar cada vez mais envolvidos em grupos de jovens nas paróquias e nos movimentos da nossa Igreja para também na força que emana do coletivo ter mais convicção e força para lutar contra esta maré que avassala a todos e assim lutar pela dignidade feminina e que a partir do ideal da pureza e tendo a Mãe e Rainha como nossa Educadora e Intercessora. Enfim, confiar que podem sim fazer a diferença neste tempo de globalização vivenciando a cultura da Aliança de Amor!

Jufem Brasil – Qual foi/é a importância da Jufem na sua vida?

Maria Helena – Falo pra minhas filhas que sou da JUFEM “Jurássica”… apesar que agora tenho falado que sou ETERNA JUFEM. Foram anos incríveis na minha vida e como sou da geração de 1981 tive o grande oportunidade de vivenciar o Jubileu dos 50 anos da Juventude Feminina em Schoenstatt, fazendo parte das representantes do Brasil! Fomos em 7 meninas, sendo 2 de Londrina, 3 de São Paulo (Jaraguá e Vila Mariana), 1 de Mairiporã e 1 do Rio Grande do Sul. Ficamos dois meses em Schoenstatt e assim tivemos a graça de estar muitas vezes no Santuário Original, conhecer jovens de 22 países, conviver e partilhar culturas e línguas diferentes, mas nos entendíamos muito bem, pois falávamos a linguagem da Aliança de Amor! No Congresso do Jubileu de Ouro entre muitas atividades, palestras e partilhas participamos de um momento especial – a coroação da MTA como “Rainha da Juventude do Mundo Todo”! Quem fez a coroação do quadro da MTA com a coroa RTA, coroa que o Pai e Fundador havia presenteado a JUFEM, foi o Pe. Alex Menninger. E nós brasileiras recebemos o lírio número um que foi colocado na moldura do quadro porque foi a JUFEM Brasil que sugeriu a coroação da MTA no Congresso Jubilar. Após as comemorações e antes de voltarmos para o Brasil, fomos à Roma e lá ganhamos outro grande presente, assistimos a primeira aparição do querido Papa João Paulo II após o atentado que havia sofrido naquela ano. Como não tínhamos a credencial para entrar no salão principal ficamos no lado de fora na grande expectativa de que ele aparecesse lá fora. Estávamos, além de nós do Brasil, junto à JUFEM do Chile e Paraguai e assim formamos um grupo de umas 25 jovens. Ouvimos do lado de fora da residência o pronunciamento que o Papa João Paulo II fez e já no final de sua fala percebemos que estavam arrumando o microfone na sacada. E assim aconteceu que o Papa veio até a sacada para dar sua benção aos peregrinos que lá estavam. Imagina a nossa alegria, pois estávamos bem na frente da sacada e quando ele apareceu começamos a gritar muitas vezes: – Schoenstatt! Schoenstatt! Queríamos que o Papa nos reconhecesse e que a Juventude de Schoenstatt estava junto com ele. Afinal tínhamos recém coroado a Mãe de Deus como Rainha da Juventude do Mundo Todo! Gritamos e até escrevemos Schoenstatt e ele viu a nossa empolgação, mas não conseguia entender o que falávamos! Na seqüência ele deu a benção papal e se virou para voltar ao salão principal. Qual a nossa surpresa quando um cardeal que estava com ele, assoprou no seu ouvido e ai ele se voltou novamente na sacada e se dirigiu especialmente a nós e disse: – SCHOENSTATT, SCHOENSTATT!!! E nos deu sua benção!!! Imagina a nossa alegria com este gesto, pulamos e nos abraçamos, pois o Papa se dirigiu especialmente a nós da JUFEM. Novo ardor nos impulsionou e voltamos super empolgadas para o Brasil a fim de transmitir a toda JUFEM do nosso país as graças e alegrias vivenciadas em Schoenstatt e Roma. Este Congresso Jubilar marcou muito a todas nós tanto com os cantos jubilares, como pela alegria das jovens em especial das polonesas, espanholas, americanas, chilenas, além claro de estar em Schoenstatt! Momento único que guardo no fundo do meu coração como um dos mais importantes da minha vida, pois fiz parte da JUFEM – geração do Jubileu de Ouro em 1981!

Jufem Brasil – Naquela época, qual era o sentimento em relação a Coroa RTA? A juventude já compreendia a grandeza daquela herança do Pai? Como foi quando soube do roubo/perda da Coroa?

Maria Helena – Tínhamos já naquela época muita gratidão pela herança que o Pai e Fundador havia deixado a JUFEM com a Coroa RTA. Com certeza ficamos muito tristes ao saber do roubo/perda da Coroa. Mas ao mesmo tempo entendemos que era um sinal da Divina Providência e a JUFEM deveria novamente conquistar a coroa! E com alegria constatamos que a JUFEM assumiu ser Coroa Viva! Nova geração na JUFEM, novos desafios, novas conquistas!

Jufem Brasil – Por ter filhas na juventude a senhora acaba acompanhando nossas atividades e aspirações. Como é ver essa “nova geração” assumir a herança que foi deixada?

Maria Helena – Tenho muita alegria e gratidão por ter filhas na juventude e que também tem grande amor a Mãe e Rainha, ao Santuário, ao Fundador, a Schoenstatt!!! Acompanho intensamente as atividades da JUFEM e JUMAS, desde os encontros, conquistas dos grupos, Missões, Caminhadas, Projeto Sabão, JMJ Centenário AA em Schoenstatt e em Londrina etc. Inclusive os momentos de almoço e convívio familiar são sempre acompanhados por alegres disputas JUMAS e JUFEM lá em casa!!! Como dizia o Pai e Fundador é a “tensão criadora” entre os ramos e comunidades de Schoenstatt! Mas no final todos se entendem, pois tudo é para a mesma causa – a cultura da Aliança de Amor!

Estou muito contente em perceber que a JUFEM tem meninas muito comprometidas e que assumem o ideal da pureza em todos os ambientes. São meninas que vivenciam o tempo atual: estudam, trabalham, namoram, tem amigos, sabem se divertir sadiamente, enfim levam uma vida normal, mas com o sinal de uma filha de Maria Santíssima, que aspira algo mais, aspira ser jovem santa no mundo de hoje!

Jufem Brasil – Qual a expectativa de receber o Nacional em Londrina? Pretende participar de alguma forma?

Maria Helena – Tenho acompanhado especialmente os preparativos do Encontro dos 75 anos da JUFEM que será em Londrina. Vamos adotar várias JUFENS em nossa casa nos dias do Nacional. Sei do livro que será lançado resgatando a história da JUFEM no Brasil e até de um momento especial que as gerações anteriores serão convidadas a participar, afinal somos eterna JUFEM!

Jufem Brasil – Qual seria sua mensagem para as meninas que se preparam para o Nacional?

Maria Helena – Minha mensagem para as meninas que se preparam para o Nacional é que não percam esta oportunidade!!! Façam campanhas para arrecadar dinheiro, vendam pizza, etc. para ajudar nos gastos com a passagem e façam muitas contribuições ao Capital de Graças para que o Encontro seja coroado com muita partilha, crescimento espiritual, alegrias e novo ardo apostólico! [pullquote_left]A Família de Schoenstatt de Londrina as aguarda com muito carinho no Santuário da Esmagadora da Serpente, terra da Regininha e de tantos acontecimentos históricos, onde o Pai Fundador esteve e nos deixou uma linda missão!!! Até setembro JUFEM Brasil!!![/pullquote_left]# VEM NACIONAL!!!

Londrina, 25 de fevereiro de 2015.

1 Comentário em "Entrevista – Uma vez Jufem, sempre Jufem!"

  1. Maria Inês Lopes de Faro | 27 de fevereiro de 2015 at 21:50 | Responder

    Que bonito, tantas pessoas passaram por nós, fizeram a Aliança de Amor e sumiram. É uma grande alegria saber que também compartilho da mesma história. História de vida que não deixamos que terminasse, mas pelo contrário cultivamos para que germinasse e desse frutos. Parabéns Maria Helena, Maria Clara e Bernadete, que a fidelidade de vocês à Schoenstatt seja benção para suas famílias e modelo para tantas outras.
    Maria Inês Lopes de Faro
    Instituto de Famílias-Mairiporã/SP

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*