João Luiz Pozzobon

Ideal Pessoal: Guarda Nobre do Santuário – Sagrada Primavera

Data de Nascimento: 12/12/1904
Data de Falecimento: 27/06/1985

João Pozzobon nasceu em 12 de dezembro de 1904, numa aldeia chamada Ribeirão (RS). Desde menino, João distinguiu-se por sua piedade e disposição para servir. Esteve dez meses no seminário e, devido a problemas de visão e necessidades de seus pais, voltou para casa. Assim, Deus o preparou para a grande missão que ele deveria realizar: iniciar a Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt.

Em 1947 conheceu a pedagogia de Schoenstatt e a espiritualidade do santuário da Mãe Três Vezes Admirável. Quando o Pe. Kentenich chegou ao Brasil, estabeleceu-se entre ambos um profundo vínculo.

Orientado pelo padre Celestino Trevisan, participou de reuniões em um grupo de homens. Para celebrar mais fervorosamente o Ano Santo de 1950, quando a Igreja se preparava para a proclamação do dogma da Assunção de Maria, decidiu-se rezar o terço nas famílias da Paróquia Nossa Senhora das Dores, de Santa Maria (RS), onde se encontra o Santuário.

Certo dia, convidado a acompanhar Ir. M. Teresinha Gobbo na reza do terço em uma família, esta lhe entrega a imagem e pede que cuide que ela peregrine todos os dias. O senhor João Pozzobon assumiu com serenidade este compromisso. Terminado o ano de 1950, por própria iniciativa, continuou com a reza do terço, realizando também um trabalho catequético e pastoral junto às famílias visitadas. Com o tempo, a “Campanha do Terço”, como ele a chamou de início, foi se ampliando, exigindo uma autêntica fidelidade, como o demonstram os 140.000 km percorridos com a Imagem Peregrina. Visitou escolas, hospitais, presídios, etc.

A pedido de algumas famílias que desejavam receber com mais freqüência a Mãe Peregrina, entregou-lhes uma imagem menor que deveria fazer uma visita mensal a cada lar. Com o tempo, mais imagens foram solicitadas, estando atualmente, presentes em mais de 90 países. O Sr. Pozzobon foi ordenado diácono permanente, a 30 de dezembro de 1972, em Santa Maria. Toda a sua vida e atividades foram impulsionadas pela Aliança de Amor: amor à Mãe Três Vezes Admirável, a “Mãe e Rainha”, como ternamente ele a chamava; amor e vinculação ao santuário, de onde recebia, como ele mesmo confessava, todas as forças e graças para o desempenho de sua missão; amor e fidelidade ao Pe. José Kentenich, Fundador e Pai da Família de Schoenstatt, de quem o Sr. João Pozzobon se considerava um “aluninho”.

A vida de oração, que ele tanto incentivava, era levada muito a sério por ele próprio. Chegou a rezar até quinze terços por dia. Em 1979, viaja à Europa com a Mãe Peregrina. Em 27 de junho de 1985, é atropelado por um caminhão, à caminho para a santa missa no Santuário, e veio a falecer. Seu processo de beatificação foi aberto em 1994, na diocese de Santa Maria.