Maria Eugênia Mahringer

Ideal Pessoal: Sei em quem pus minha confiança (2 Tim 1,12)  

Data de Nascimento: 18/11/1906
Data de Falecimento: 14/07/1988 

Eugênia nasceu no dia 18 de novembro de 1906 em Schwäbish Gmünd, na Alemanha. Seu pai era professor de uma escola industrial e membro ativo de um partido político, desse modo o interesse pelas questões políticas foi lhe sempre transmitido e se manteve vivo até o fim de sua vida. Sua mãe faleceu quando ela tinha apenas três anos, o que marcou profundamente sua infância.

Terminou o colégio e freqüentou o Seminário de Economia Doméstica no Monastério de Siessen, entre 1925 e 1928, nesta época conheceu Schoenstatt através do sacerdote schoenstatteano Pe. Franz Grim. Em 21 de abril de 1928 foi recebida na União Apostólica.

Era professora, até que em 1931 o Fundador lhe pediu para assumir como tarefa principal a condução e direção de toda a Juventude Feminina schoenstatteana na Alemanha. Tornou-se uma verdadeira guia, a primeira dirigente da Juventude Feminina de Schoenstatt. Nessa ocasião o Pai Fundador, Pe. José Kentenich, no santuário original, disse a ela esta frase: “Sei em quem pus minha confiança!”, o que ela tomou para si como ideal pessoal.

Em 1933 as autoridades educacionais do nacional-socialismo a obrigam a reassumir imediatamente seu posto no colégio, a fim de afastá-la de Schoenstatt; porém secretamente ela continua com o seu trabalho na juventude.

Como o Pe. Kentenich falava em formar uma “comunidade contemplativa no meio do mundo”, ela participou ativamente do início da fundação do Instituto Nossa Senhora de Schoenstatt, tornando-se cofundadora. Tinha a convicção de levar uma vida consagrada no meio do mundo.

Em 1951 a região de Stuttgart do Instituto Nossa Senhora de Schoenstatt se consagrou com o ideal “Indivisa Christi”. Eugenia Mahringer teve muita influência em sua formulação. Durante o período em que ela foi superiora dessa região, se construiu o santuário que tem a seguinte missão: “Retorno e Vitória do Pai Fundador”, sendo que esse nome se deve a íntima união entre essa região, a construção do santuário e o retorno de nosso Pai e Fundador do exílio.

O próprio Pai Fundador confirma essa união ao presentear à região de Stuttgart a Cruz da Unidade Original, no dia 12 de dezembro de 1965. Eugenia visitou o Fundador no exílio em Milwaukee (1962-1963), informando-lhe sobre toda a corrente do Paralelo “Bella Vista – Stuttgart”.

Nos últimos anos de sua vida em Stuttgart, Eugenia se sentia muito comprometida com a adoração no santuário. Ela faleceu no ano jubilar dos 25 anos do Paralelo, no dia 14 de julho de 1988, em seu quarto na casa regional em Stuttgart.

Suas palavras“… as maiores da geração fundadora seguiram seu caminho. Mas levaram consigo seu ideal de fundação e suas tarefas, para realizá-los em sua profissão, nos ramos, no estrangeiro. À cabeça de ambos os Institutos Seculares chegaram duas personalidades da geração fundadora como Superiora Geral das Irmãs de Maria e das Senhoras de Schoenstatt. Outras jovens foram crescendo e assumiram as tarefas de dirigentes entre a juventude feminina… as gerações vão e vem. Sempre insistia nosso Pai fundador dizendo: ‘Cada geração deve novamente conquistar Schoenstatt’ Ele confiou plenamente nas gerações futuras e em 1935, agradecendo-lhes por todos os tempos disse, confiando em sua fidelidade à Schoenstatt e em seu espírito de entrega: ‘À estas gerações futuras quero agradecer também deste lugar’. Isto vale também para a juventude feminina de nossos dias.”