Imaculada, a Mulher dos nossos sonhos!

Texto: Ir. M. Neiva Pavlak

Assessora da Jufem de Fortaleza, CE

Os santuários de Schoenstatt do Brasil têm como ideal ser Tabor de Cristo e de Maria. No santuário contemplamos Maria toda envolta pelo Sol resplandecente do Tabor, que é Cristo. E ali ela, a grande Imaculada, quer formar filhos transfigurados que, à sua semelhança, irradiem as glórias do Tabor. Há um canto do Movimento que diz: “Mulher toda de Sol, imagem que o bom Deus sonhou quando criou os filhos seus.”

É, portanto, na Mulher transfigurada, Maria, que nos espelhamos quando dizemos que queremos ser “Lírio do Pai, Tabor para o mundo”. É do jeito dela que queremos viver, ser Maria em ponto pequeno, no lugar onde se realiza nosso viver. E como o mundo de hoje necessita desses lírios, do testemunho de pequenas Marias! Mas, como é mesmo a Mulher transfigurada e imaculada, que nos encanta e a quem nos queremos assemelhar? E por que ela nos encanta e cativa?

Porque nela vemos tudo aquilo que gostaríamos de ser, todo o grande que aspiramos. Sabemos pela Sagrada Escritura, que o seu caminho de vida foi semelhante ao nosso: ela pisou nossa terra, comeu nosso pão, vivenciou alegrias e sofrimentos… Foi, em tudo, semelhante a nós, exceto no pecado. Na pessoa da Imaculada vemos o que o amor é capaz de conseguir quando nos abrimos a Deus com um coração puro e dócil.

Proponho que contemplemos a Imaculada sob quatro pontos de vista: no seu pensar, na sua vontade, nos seus sentimentos e na sua corporeidade.

  1. 1. Como é o pensar da Imaculada? O seu pensar se orienta sempre em princípios fundamentais, é guiado pelo plano de Deus. Por isso, seus conceitos são claros e suas imagens são profundas. Deste modo, sabe interpretar, compreender e acolher o plano de Deus em todas as situações da vida. Ela sabe administrar magistralmente o grande “jogo” entre a consciência e a prudência, em cada ato que realiza. Harmoniza em seu ser e agir a causa primeira (Deus) e a causa segunda (as criaturas). Isso tudo, para nós, é um grande desafio de autoeducação. Trata-se de um pensar coerente e consistente, livre de contradições ou erros de julgamento; um pensar inspirado por um coração sereno, porque puro no uso dos sentidos, das imagens da fantasia e dos pensamentos. Quando nossa razão está assim iluminada, torna-se capaz de captar o que é correto, valendo-se de diversas perspectivas, evitando polarizações que geram conflitos. Para isso é necessário a abertura para Deus, a empatia e a benevolência de coração que acompanha o pensar da Imaculada.

 

  1. 2. E como é sua vontade? Sabemos que nossa vontade é dotada de duas capacidades muito importantes e determinantes: a capacidade de decidir, optar, e a capacidade de realizar. A capacidade de decisão da Imaculada apresenta uma autonomia responsável, firme e imperturbável na sua orientação ao bem. Ela sabe decidir com autonomia quando se trata de uma escolha entre muitos bens, ou seja, primeiro estão os bens espirituais, depois os intelectuais, psicológicos e sociais e, finalmente os físicos (primeiro os bens da santificação e depois os da satisfação). Na prática, esses bens podem coincidir, isto é, não estão em conflito. A Imaculada possui uma vontade livre de toda intriga e duplicidade. Seu grande amor é capaz de retificar e purificar todas as ações, tudo o que poderia ser egocentrismo, ânsia de poder ou mera busca de prazer. Frente ao que é bom, ela sabe selecionar o melhor, o que contribui à felicidade e a santificação. Uma vontade assim orientada tem sua raiz numa confiança heroica e constante em Deus e se caracteriza por ser realista, agradecida, animada, comprometida e empreendedora.
  2. 3. Como são os sentimentos da Imaculada? A Mãe de Deus experimentou emoções intensas em sua vida; experimentou felicidade (Magnificat) e dor (Gólgota), mas tudo esteve sempre orientado à integridade de sua pessoa e ao serviço generoso dos outros (a salvação da humanidade). Na Imaculada, as emoções são assumidas em sua plena vitalidade. Não são reprimidas, ignoradas ou desprezadas, ao contrário, são reconhecidas, afirmadas e valorizadas, colocadas a serviço do aperfeiçoamento pessoal, sob a luz da razão iluminada pela fé e a condução da vontade. Em nossa vida, as emoções se personalizam em consonância com as características e a vocação específica de cada pessoa. Por isso, a resposta emocional de cada pessoa é própria e original. Na Imaculada não há desordem, desintegração ou descontrole, porque está totalmente ancorada em Deus, que é seu sumo Bem. Vemo-la como receptáculo que acolhe um grande amor no qual repousa. Este amor atrai todos os seus afetos e, ao mesmo tempo, a torna eficaz no serviço pleno de amor. Esse amor é autêntico, o verdadeiro amor inclui um sentimento de assombro (respeito) e benevolência ante a presença do outro. É o que vemos em Maria, por exemplo, na hora da Anunciação.

No tempo em que vivemos, que possui uma diversidade de compreensão e de conceitos sobre o amor, é preciso resgatar e educar a função nobre dos sentimentos, que é uma grande riqueza da mulher. Nossos sentimentos são componentes necessários das experiências humanas que fazemos e estas devem necessariamente estar abertas à divinização, isto é, à santificação pessoal.

  1. 4. Finalmente nos perguntamos: como é o corpo da Imaculada? A corporeidade de Maria é componente integral de sua pessoa e não um apêndice indesejável e perigoso ao bem-estar do espírito. Tampouco é uma realidade unicamente temporal para ser descartada pelo espírito que anela libertação (pensar platônico). O corpo da Imaculada está transfigurado junto de Deus (ver Dogma da Assunção), da mesma forma o nosso corpo está destinado à ressurreição. Por isso cuidamos dele. As limitações de espaço e tempo associadas à corporeidade na ordem material, foram experimentadas e compreendidas criativamente por Maria. Ela esteve sempre atenta às indicações da Divina Providência. Lembremos de Belém, da fuga para o Egito… Também Maria precisou cuidar de sua saúde, das necessidades naturais e materiais, da postura corporal, etc. Fez tudo isto com um estado de ânimo impregnado de paz e de alegria, de quem se sabe e se sente amada e consagrada ao amor.

A corporeidade de Maria é espiritualizada; seu corpo é meio e expressão da graça divina que nela atua. Somente na força da graça é possível afastar o que é meramente sensível e sensual, características do egocentrismo possessivo e dominante em nossa sociedade. Da Imaculada emana uma atmosfera de paz, paz que se alcança por meio da integração e equilíbrio entre a verdade, o bem e o belo. Este equilíbrio alegra o coração, ilumina o pensar e oferece repouso à vontade. Assim é nossa Mãe Imaculada! Como gostaríamos de ser como Ela! Nosso Pai e Fundador captou esse anseio profundo do coração feminino, de ser como Maria. Ele disse: “De nossa alma brota a súplica: Mãe, quem me dera ser como tu!” E ainda: “Quão bela e grande é a natureza humana que se encarnou na pureza e formosura de Maria!”

Sim, quem nos dera ser como Maria neste tempo, que tem conceitos tão diversificados e até confusos sobre a mulher. Não podemos ser como a grande Maria, mas Maria em ponto pequeno, pequenas Marias, sim. Se nos esforçarmos para ser Lírio do Pai, com certeza nos tornaremos um Tabor para o mundo.

Bibliografia:

J. Kentenich. A Riqueza do ser puro. Movimento Apostólico de Schoenstatt, 3ª edição, 2001

Lugo Elena. Visão orgânica do Pe. Kentenich, 1ª edição, Cordoba, Patris, 2006

Introdução ao Ideal Tabor; edições Aliança, Atibaia/SP

 

4 Comentários em "Imaculada, a Mulher dos nossos sonhos!"

  1. Obrigada, Ir. M. Neiva. Neste ano em que estamos refletindo sobre o ideal da pureza, com o lema “Filha da imaculada, sê heroicamente pura”, o texto que elaboraste vem nos ajudar muito. A Imaculada deve ser nosso modelo de vida!

  2. Cara Ir. M. Neiva.

    Te dou graças pelo belíssimo texto que escreveste, com profundidade e firmeza exemplares!!
    Apreciei muito a forma como, abordando os 4 pilares – dos muitos de que somos formados -, demonstraste a integridade da Virgem Maria e suas inúmeras qualidades.

    ´´quem nos dera ser como Maria neste tempo, que tem conceitos tão diversificados e até confusos sobre a mulher.“

    Parabéns! Que sigas inspirada e inspirando as meninas de Fortaleza e do Brasil.

    Abraço, Camilla Caetano.
    Jufem Santa Maria – RS.

  3. Ir. M. Neiva,

    Que linda inspiração do Espírito Santo!

    Sinto que o texto me serviu como um chapéu a ser usado a cada dia, para refletir a coerência dos meus pensamentos, vontades, sentimentos e corpo diante da Imaculada.

    Obrigada.

    Luma
    JUFEM Santa Maria – RS

  4. Adorei o artigo sobre a Imaculada!
    O meu Santuário-Lar chama “Templo da Imaculada”…queria muito poder irradiar essas caracteristicas da Mãe de Deus!

    Parabens Ir. Neiva

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*