Modernizar sem Mecanizar

“Modernizar sem mecanizar” é um dos dez pontos de aspiração da Juventude Feminina Brasileira; as jovens durante o Encontro de Diamantes em Londrina/PR, observando as dificuldades de nosso tempo, decidiram-se por uma vida diária mais pura e santa através destes pontos. Esse encontro foi no ano de 2000, e desde então se passaram onze anos. Podemos imaginar nossa vida há onze anos? A maioria de nós não possuía celular, computador, internet, câmera digital e muito menos um celular que é computador, tem internet e câmera de alta resolução.

Por que essa preocupação com a modernização e a mecanização há tanto tempo? Quando se fala de mecanização lembramos de máquinas, da produção em série, do “fazer sem questionar”, do estilo de vida que irrompeu após a Revolução Industrial. Nosso Pai e Fundador falou do perigo da mecanização, chamando o “pensar, viver e amar mecanicista” de “bomba nuclear intelectual”.

 

“… o inimigo mortal do respeito é o molde. O molde dá segurança, esquematiza, mas anula a pessoa a impede de desenvolver suas capacidades originais, seu próprio voo. O molde nos expõe ao risco da mecanização das tarefas e seu esclerosamento, tirando-nos vitalidade e energia…”. José Kentenich

 

Por que associar modernização a mecanização? A resposta está na segurança e facilidades que a vida moderna nos traz; por exemplo, o microondas que veio para facilitar e economizar tempo na cozinha. Como nós utilizamos esta tecnologia? Preparamos algo rápido e descartável para comer, assim temos mais tempo para trabalhar em casa, ficar mais tempo em frente ao computador… Assim a tecnologia não traz bem estar, mas um ritmo de vida estressante. Não é errado utilizar o microondas, mas o uso inadequado das tecnologias pode assemelhar-nos a robôs, a máquinas.

Orkut, Facebook, Twitter, LinkedIn, Tumblr, Badoo, Blogger, Messenger, Skype, ICQ, GoogleTalk… Nomes que conhecemos e tecnologias que dominamos… Ou somos dominadas? As redes sociais e os mensageiros online são pré-requisito para socializar-se no mundo jovem; antes de saber seu nome as pessoas querem saber “arroba o que” você é. Aí surgem os questionamentos:

 

  • Personalidade: A “arroba” da web representa o que sou de verdade?
  • Autenticidade: Curto porque realmente gosto ou para ser curtida?
  • Missão: O que exponho na web eleva ou é medíocre?
  • Domínio: Internet X eu; quem é a ferramenta?

 

Não devemos ter dúvida de que personalidade, autenticidade, consciência de missão, domínio e controle do que vejo devem ser características de uma jovem schoenstattiana. Na web ou atrás da tela, seja do computador ou do Iphone, tudo o que compartilho deve ser reflexo do que realmente aspiro ser: um Lírio do Pai, Tabor para o Mundo. Criar personagens ou assumir posturas e causas que não são nobres para ser aceita ou popular não condiz com nosso ideal.

Utilizando a tecnologia de forma consciente e autêntica, tendo claro que são ferramentas, podemos sim facilitar nosso dia-a-dia; usar a web a nosso favor – somos bombardeadas com conteúdos medíocres, porque não contra-atacar com o que é bom?

 

“A mão no pulso do tempo, o ouvido no coração de Deus”. José Kentenich

Já ouvimos esta frase de nosso Pai, mas o que ela significa para nós? Ele quer dizer que nós, filhas de Schoenstatt, devemos estar atentas ao nosso tempo, as dificuldades da nossa geração… Provavelmente já ouvimos nossas avós e mães falarem “no meu tempo não era assim”. E não era! Nossos desafios são outros, como nos preparamos para enfrenta-los?

Sofremos com a chamada “inversão de valores”; o que é bom é menosprezado, o que é ruim é enaltecido, tudo é descartável – família, vida, amor – os valores cristãos são os mais atacados. Como viver em um mundo que busca desesperadamente preencher um vazio interior com o que é efêmero? Deus pode não ser moderno, mas Deus é ETERNO. E somente preencheremos plenamente nosso coração com o que vem de Deus, com aquilo que conduz à eternidade, por isso o segredo é ter o “ouvido no coração de Deus”, confiar e realizar sua vontade.

Podemos e devemos ser atuais, utilizar a tecnologia e a modernidade a nosso favor, mas sem perder nossa essência e autenticidade: modernizar sem mecanizar!

 

Roberta Giraldi Romano

Jufem Curitiba/PR

 

 

2 Comentários em "Modernizar sem Mecanizar"

  1. Parabéns Meninas!!! 😀

  2. Costumo ler mais de uma vez a mesma coisa..
    e li hoje esse post de novo! Realmente, os anos vão passar
    a atualização das coisas vão vir, cada vez mais rápido e a
    única coisa que permanece.. é o nosso pensamento: *modernizar sem mecanizar!

    Parabéns para quem escreveu!

    beijos*

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*