Ontem e hoje: Sementes do Reino da MTA

Nos dias 9 e 10 de setembro, a Jufem do Regional Sul reuniu-se na Casa de Retiros, situada ao lado do Santuário Tabor, em Santa Maria, RS, para seu encontro jubilar dos 70 anos da primeira Aliança de Amor do Regional. Participaram 90 jovens das cinco dioceses: Porto Alegre, Santa Cruz do Sul, Santa Maria, Santo Ângelo, Frederico Westphalen e três jovens do estado de Santa Catarina, das cidades de Biguaçu e São José.

Há sete décadas, quando as primeiras jovens da Juventude Feminina de Schoenstatt consagraram-se à MTA, escolheram como lema: Sementes do Reino da MTA e realizaram o ato na presença do Pai e Fundador, Padre José Kentenich, no contexto de sua segunda visita ao Brasil. Ele as lançou como sementes no solo sagrado do Santuário e disse-lhes: “Eu não vejo somente a vocês, mas uma grande quantidade de almas nobres que a seguirão”(8 de setembro de 1947).

As palavras proféticas do Fundador e a entrega heroica e fiel das primeiras fizeram com que essas sementes produzissem um contínuo florescer. A semente se espalhou e conquistou sempre mais novos corações para o grande canteiro de lírios.

Desde a oração de abertura, em frente ao Santuário, até a oração de envio, as reflexões e temas da jornada giraram em torno do simbolismo da semente. “O Jardineiro saiu para semear”, fazia uma alusão a tudo o que o Pai e Fundador ensinou, principalmente ao grande presente do ideal Tabor, contido na segunda parte do ideal nacional da Jufem, “Lírio do Pai, Tabor para o mundo”.

Ir. M. Rosangela de Souza transmitiu sobre a vida heroica da Lúcia Renzi, uma das jovens do primeiro grupo. Ela, Lúcia, viveu como uma semente oculta, totalmente doada e fiel ao primeiro sim, e por isso, hoje, é modelo e inspiração para a nova geração. Fazendo um paralelo com o lema do ano da Jufem: “Filha amada, assume a essência do teu ser”, Maria Laura Ghirard, pertencente à Liga das Mães de Porto Alegre, deu uma palestra apresentando a essência da mulher cristã e, em contrapartida, mostrou também tudo o que destrói essa essência.

A “essência” do Lírio do Pai, também está intimamente relacionada às três virtudes simbolizadas na coroa RTA, que traduzidas para o português significa pureza, nobreza e fidelidade. Nisso reside o heroísmo da “semente”, em configurar a vida conforme essas virtudes. Na vivência da noite, cada jovem recebeu uma pulseira com a coroa RTA e o símbolo de Deus Pai, como sinal de unidade com o Fundador de quem receberam essa herança espiritual, que é ao mesmo tempo dádiva e tarefa. As jovens ainda tiveram oportunidade de ouvir testemunhos de ‘ex-jufens’ sobre como elas se esforçaram em viver essas virtudes.

Cada diocese pôde compartilhar com as demais suas iniciativas apostólicas nas paroquias e dioceses, pois cada uma, hoje, é convidada a produzir frutos e a semear. E para contemplar o que a Igreja convida a refletir em relação aos jovens no próximo sínodo, cujo tema é: “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, foi apresentado um musical vocacional, a fim das jovens serem motivadas a perseverar no seu caminho do discernimento vocacional.

A Santa Missa de encerramento na Capela de Retiros foi presidida pelo padre palotino Salvador Barbosa. Foi providencial encerrar a Jornada nesta capela tão marcada pela presença de nosso Pai e Fundador. Foi como se ele mesmo enviasse sua Juventude, que continua sendo, como há 70 anos, Sementes do Reino da MTA.

Ir. Glória Maria Melo

Fotos: Azania Valmerate/Elisa Rothe

Seja o primeiro a comentar em "Ontem e hoje: Sementes do Reino da MTA"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*