Para Sempre Jufem – Um ideal para vida toda!!

Olá querida Jufem Brasil, nos cum prole pia… Com muita expectativa para o Nacional nós, da Jufem Olinda, procuramos nos aprofundar ainda mais na nossa história. Tivemos um encontro de gerações e conversamos com a nossa geração fundadora. Para essa coluna foi entrevistada Nicole Rodrigues, participante do grupo fundador da Jufem em Olinda, hoje com 30 anos. Ela mora em Olinda e ficou muito feliz em ser convidada para dar este testemunho. Escutamos com muita atenção para tentar imaginar como tudo começou, que apesar de não ter sido a muito tempo, foi em um contexto muito diferente do nosso. Ainda sentimos grandes dificuldades, mas percebemos que as dificuldades que as primeiras enfrentaram não foi impedimento para muitas conquistas, podemos perceber até como a tecnologia nos ajuda na comunicação. Conversamos, trocamos experiências, falamos sobre as expectativas, vimos fotos antigas e nos surpreendemos com as diferenças mesmo num pequeno espaço de tempo! Foi muito bom ver como Nicole fala do movimento e como o movimento a ajudou tanto em sua vida. Disse ainda o que sente sobre a JUFEM e como isso é contagiante. Então, vamos ao que interessa!!

Depoimento de Nicole

Sobre como tudo começou…

Tudo começou por sugestão de Ir. Marisa, ao convidar as filhas de alguns casais da Liga de Famílias para formar a Juventude Feminina. Algumas dessas jovens já pertenciam a outro grupo de jovens, o “TLC – Treinamento de Liderança Cristã”, do colégio em que estudavam (Academia Santa Gertrudes). Elas comentaram com as amigas participantes desse grupo, no caso comigo e com as outras meninas. Apesar de conhecermos pouco sobre o movimento, ficamos encantadas com o propósito e resolvemos nos organizar para a fundação do primeiro grupo da Jufem no Nordeste.

Começamos a frequentar o Santuário antes mesmo do grupo estar formado, isso ajudou na organização da primeira reunião e aguçou ainda mais nossa curiosidade. A dificuldade inicial foi de não termos uma irmã instalada aqui no Nordeste para cuidar da Juventude, pois Ir. Marisa já cuidava de vários grupos e não poderia assumir a Jufem. Precisávamos de uma irmã para orientar o grupo, trazer materiais e nos ensinar os ideais do Santuário.

A imagem a abaixo mostra o convite entregue as jovens para comparecerem ao primeiro encontro. Tenho ele guardado junto com todas as minhas anotações das reuniões da Jufem. Iniciamos a Jufem Olinda no dia 30 de abril de 2000, com a orientação de Irmã Cassiana e a presença de 15 jovens. Desse dia em diante foram muitas as descobertas e conquistas.

convite

Sobre os desafios do início…

Como em todo começo tivemos muitas dificuldades, algumas ligadas às limitações da própria época, como por exemplo, a dificuldade para entrar em contato com a irmã e com as jovens que não estudavam no mesmo colégio. Várias das facilidades de comunicação existentes hoje como WhatsApp, facebook, livre acesso a computadores e celulares, nós não tínhamos acesso na época. Precisávamos nos comunicar por telefone fixo ou enviar emails, lembrando que a internet ainda era discada, cara, lenta e poucas pessoas tinham computador com acesso a internet. Também existiam as questões de falta de estrutura física, o Santuário de Olinda ainda era apenas uma pequena capela com um grande pátio ao ar livre e uma lojinha minúscula. Lembro-me que nosso primeiro encontro foi na frente do Santuário em uma área cedida pela rádio, pois o Santuário estava recebendo vários romeiros e a irmã precisava de um lugar tranquilo para fazer a reunião.

Mas como a Mãe sempre cuida de suas filhas, podíamos contar sempre com muita ajuda, seja de dentro como tia Ceça e tio Gel, ou dos nossos pais e mães que apoiavam como podiam.

Sobre como a Jufem mudou a minha vida…

A Jufem fez toda diferença na minha vida, nós estudamos muito os temperamentos e trabalhávamos sempre a auto educação. Como eu tinha, desde criança e adolescência, um temperamento muito colérico, era muito agitada e não sabia lidar com isso, a Jufem me ajudou a trabalhar e encontrar um certo equilíbrio. Além disso, acredito que a juventude, através do trabalho de formação cristã com metas práticas dentro do nosso dia a dia, fortaleceu meus princípios cristãos e éticos. A Jufem foi fundamental para me ajudar a ter equilíbrio, que era uma coisa que eu sempre buscava e não encontrava um jeito de lidar.

Sobre o nome do grupo…

Foi o seguinte, na época a Ir. M. Cassiana explicou que como o ideal nacional era “Lírio do Pai Tabor para o mundo” nós tínhamos que ter o nome lírio por todo o significado. Precisávamos ter no nosso nome algo relacionado ao lírio, então essa era a única certeza. E aí fizemos várias reuniões, vários encontros e várias discussões sobre qual seria o nome, queríamos um nome que significasse algo e que representasse a nós e a nossa região para o mundo todo. Então pensamos na pérola devido a seu processo de formação, pois quando um pequeno grão de areia entra na ostra, a mesma com muito sofrimento trabalha esse grão e o torna uma linda pérola. Por isso achamos que seria o exemplo perfeito do processo de amadurecimento e crescimento que passamos na Jufem, e ainda representaria bem nossa região por remeter a praia. O nome do nosso grupo ficou Pérolas Liriais da Mãe Rainha.

Sobre o reencontro com a Jufem…

Fiquei muito feliz, mas também surpresa, pois com pouco mais de um ano de grupo decidimos fazer uma crônica do grupo fundador para que passasse de geração em geração toda a história da fundação. Quando Jaci entrou em contato comigo fiquei triste em saber que essa crônica havia sido perdida. Mas logo na primeira conversa por whats app me empolguei em conhecer a Jufem atual, e poder contar o início dessa história. Pensei que, se fosse comigo, gostaria de saber como se iniciou o grupo que estava fazendo parte, além disso, não poderia deixar de mostrar a outras jovens como tudo começou, pois imagino que a Jufem é tão especial para elas quanto é para mim.

Sobre os planos com a Mãe e com o movimento de Schoenstatt…

Hoje frequento as missas no Santuário sempre que posso e pretendo entrar para a Liga das Mães. Também quero continuar mantendo contato com a Jufem, e ajudar no que eu puder para ver o crescimento deste ramo. O ideal do movimento é de uma grande família, estão todos juntos se ajudando e buscando formar um mundo melhor. Além disso, não tenho dúvidas que a Jufem transforma a vida de muitas jovens, e isso não pode parar.

Sobre a Jufem atual…

No pouco que conheço acho a Jufem atual super focada nos ideais e que tem muito amor pela juventude, percebo que elas levam o ideal do movimento para o mundo, buscando ser realmente exemplo. Fiquei feliz em conhecê-las e ver que o mesmo amor e compromisso que tínhamos, continua nas jovens de hoje e com a mesma vontade de fazer com que o movimento e a juventude cresçam.

Sobre a preparação para o nacional…

Agora deixo uma mensagem à todas que estão em preparação para o encontro nacional: se esforcem muito para ir ao Nacional, vale muito a pena, é um encontro lindo. Mexe muito conosco, fortalece o nosso ideal e nos faz perceber que não estamos sozinhas. Garanto que faz valer a pena todo o esforço e cada Capital de Graças proposto para essa conquista. Conhecer um outro Santuário é maravilhoso, tem certa magia estar naquele ambiente, sentir-se em casa mesmo distante.

Por: Alana Azevedo, Jacicleide Morais, Lívia Maria e Nicole Rodrigues.

 

 

1 Comentário em "Para Sempre Jufem – Um ideal para vida toda!!"

  1. Obrigada pelo belo testemunho, Nicole! Nossa JUFEM Nordeste te agradece pelo carinho e fidelidade!!!Ir.M.Eliane

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*