Rumo a Schoenstatt…e muito Capital de Graças!

Sou Rita de Cássia Lourençon, e estou muito feliz por escrever esse testemunho, e partilhar o quanto a Mãe de Deus tem dado bênçãos em minha vida, sou muito grata a Ela pelas suas graças derramadas. Tenho 24 anos, entrei no grupo das Apóstolas Luzentes de Maria, com seis anos de idade. Minha maior alegria e felicidade foi ter sido apresentada à Mãe de Deus quando era pequena, a apresentação foi feita na época pelas minhas primas: Alessandra e Vanessa Fernanda. Meus pais sempre foram devotos de Maria e vamos com frequência ao Santuário de Atibaia, estando sempre presente em minha vida o Santuário, a Mãe e o Pai Fundador. Participei da Jornada Mundial da Juventude em Madri, na Espanha, foi uma das maiores e extraordinárias graças que a Mãe me presenteou; foi uma alegria imensa, a minha primeira vez em Schoenstatt, estava transbordante de felicidade, entrar no Santuário original pela primeira vez, muita alegria…
Cantando a Consagração no Santuário, lembrei do dia em que selei a minha Aliança de Amor, 08 de setembro de 2006, dia da natividade de Nossa Senhora. Lembro que me emocionei muito, todas as meninas se emocionaram, foi um dos momentos mais lindos, lembrar que a Mãezinha estava me esperando com um amor todo especial lá da Capelinha.
Na primeira vez que fui a Schoenstatt, foi uma graça transbordante. Eu estava desempregada e procurando emprego, com dificuldades financeiras, e a Mãe providenciou tudo com muito carinho, cada detalhe e cuidado foi por Ela preparado. Fomos em sete meninas, nós dizíamos que éramos os sete dons do Espirito Santo. No sorteio dos dons, a Mãe me designou o dom do “Temor de Deus”. Fizemos almoços, vendemos rifas, pizzas, e tudo a Mãe providenciou. Lembro que em Schoenstatt a Ir. M. Isabel explicou que Deus era redondo, nada acontece por acaso, se Deus colocou você neste lugar, é porque você é escolhida, você é um privilegiado lírio e que toda a Providência está no Temor a Deus.
Quando voltei ao Santuário original recordo que rezei a Mãe de Deus, para que quando voltasse ao Brasil, pudesse conseguir a graça de voltar ao Santuário mais uma vez, para comemorá-la, junto a Mãezinha, o Centenário da Aliança de Amor. No regresso ao Brasil, comecei com um gesto bem simples, peguei um garrafão de vinho fiz um corte na boca deste para passar as moedas e decorei-o todo, escrevi “Geração 2014”, “RTA”, o nosso lema, ele ficou tão lindo, todo colorido. E comecei então as minhas renúncias: renunciava o dinheiro de um passeio com as amigas, o dinheiro de comprar uma roupa, de um comprar um livro. Ao começar a trabalhar, procurava renunciar ainda com mais fervor, eu colocava o dinheiro no garrafão de vinho, e olhava para a estampa da Rainha dos Lírios que tinha fixado no garrafão (esta estampa era uma cópia de uma foto que foi entregue no Santuário original, e cada um a coroou como Rainha, nesse dia eu a coroei como a minha Rainha dos Lírios).
Aproximando-se ao mês de maio de 2014, mês do dia das mães, a minha Mãezinha me presenteia com a grande graça de retornar ao seu pequeno Santuário. Era duas horas da tarde, quando fui à garagem de casa, com o meu pai para quebrar o garrafão de vinho, que eu havia intitulado com o nome “Garrafão Rumo a 2014”, como não poderia ir com o a ajuda do grupo, pois o combinado era que quem já foi uma vez, desse lugar a outra jovem que queira ir, então fiz o meu melhor nas minhas renúncias ao Capital de Graças, empenhei ao máximo as exigências ao Capital de Graças para conseguir somar o dinheiro para ir a Schoenstatt. Recordo do estouro que fez ao cair no chão o garrafão de vidro, contei nota por nota, moeda por moeda, nem acreditava que com apenas moedas eu ajuntei uma grande quantia, quase não acreditava no quanto consegui ajuntar. Como o garrafão era escuro, eu não percebia quanto havia dentro dele, apenas sabia que havia. Foi o primeiro Capital de Graças que eu consegui renunciar tanto, fiquei muito feliz por isso, já havia conquistado algo dentro de mim, o primeiro passo. Ao terminar de contar as notas, percebi que só havia conseguido metade do dinheiro, fiquei muito triste, pois as inscrições já estavam se encerrando. Neste mesmo dia retirei o telefoninho do Pai Fundador que dizia: “Ela é a grande Missionária, Ela realizará milagres!”. E Ela realizou em mim, em meu Santuário-coração! Sim, a Mãe operou Seus prodígios em minha vida, em minha história!!!
No domingo a tarde houve uma reunião de dirigentes, e então eu expus o assunto ao grupo todo, e elas me permitiram que eu somasse o grupo das meninas que iam a Schoenstatt, podendo contar com a ajuda do grupo. Nessa hora, eu percebi ainda mais no meu coração o quanto a Mãe me queria em Schoenstatt, com um amor todo especial de Mãe. Nesse dia eu fiquei muito feliz, a Mãe preparou tudo perfeitamente. Começamos a vender talões de rifas, conseguimos todos os prêmios, colaboramos na função de auxiliares de limpeza da festa do padroeiro de nossa paróquia Santo Antônio de Pádua, vamos hoje em cinco Jufens, contando comigo!!!
Confesso que a cada dia 18 aumenta a minha expectativa, bate mais forte o meu coração… Falta pouco para sermos uma única juventude, uma Família em torno de nosso Pai, de nossa Mãe Rainha e do Santuário! Cada dia recordo o que foi dito no Cor Unum, que cada lírio do jardim da Rainha, cada uma de nós deve sentir: “eu sou um pedaço da Coroa que reveste a Mãe, onde quer que eu esteja, o que quer que eu faça, a Mãe comigo estará”. Com grande alegria e gratidão escrevo esse testemunho, pode ter ficado um pouco grande a escrita, mas são muitas bênçãos para agradecer a Mãe, e muitas alegrias para contar. Como é difícil expressar com palavras, aquilo que sentimos no coração…
Um momento especial que estamos vivenciando. Um presente imenso que estamos recebendo como Família de Schoenstatt. Juntas na Aliança de Amor somos uma família. Schoenstatt é minha família, minha vida, MEU TUDO!!! O Pai me revela seu amor predileto e me concede este presente maravilhoso, a realização de um sonho que é a graça de retornar ao Santuário Original e poder repetir inúmeras vezes o anseio: “Sim, eu conheço o lar do amor, prodígio em pleno brilho do Tabor! Lá onde a Mãe Três Vezes Admirável impera entre os filhos, mui feliz, e recompensa dádivas de amor ao revelar a glória e o resplendor dos ricos frutos de seu operar: é minha terra, é meu lar feliz, é minha terra, é meu Schoenstatt lar!”.

“Faça – se a pequena Maria na luz da pureza. Nós, filhas de Schoenstatt, gostamos de comparar nossa Família com um jardim cheio de lírios brancos. Eu saúdo os lírios!” (Pe. JK, Londrina, 20/04/1947).

Sim Pai, contigo heroicamente Geração 2014!
Tua Aliança, nossa missão!

Rita de Cássia Lourençon – Jufem de Louveira/SP.

rita

Seja o primeiro a comentar em "Rumo a Schoenstatt…e muito Capital de Graças!"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*