Ser mulher segundo o coração do Pai e Fundador!

“Para nossas pequenas Marias abrasadas de amor, a força motivadora é o amor. Se lhes perguntarmos: Por que és aplicada? Por que te aplicas tanto no estudo, sobretudo quando ninguém te observa? Ou se lhes perguntarmos: por que és tão cuidadosa nos trabalhos da casa? Por que te esforças […] para aprender todos os trabalhos da casa? Não tens atrás de ti alguém que te pode ensinar? O que responderão nossas pequenas Marias abrasadas de amor? Caritas Christi urget me! O amor de Cristo me impulsiona! Quero tornar-me a pequena imagem abrasada de amor da Mãe de Deus. Assim como a Mãe de Deus fez tudo por amor a Jesus, ao Pai, eu também o quero fazer. Veem como nossas pequenas escolheram um gigantesco programa de vida?” (Pe. José Kentenich, 29 de abril de 1948, Santa Maria/RS)

No ‘Ano Pe. Kentenich’, algumas mulheres nos contam como o Pai e Fundador as ajuda e inspira na missão de serem “outras Marias” para o mundo:

Mulher mãe

“Como mães, o bom Deus nos presenteou uma família, uma família natural. Dando nosso nome a Schoenstatt, pertencendo a Schoenstatt, crescemos também na outra Família, numa Família sobrenatural. Assim deveríamos considerar como natural que tenhamos fome, anseio e amor à família” (Pe. José Kentenich à União das Mães)

“Para mim, como mulher, esposa e mãe, o carisma que mais se destaca no Pe. José Kentenich, além de Pai e Fundador, é o de educador. Como seguidor, defensor e divulgador extremo do amor à Maria, ele educa a mulher para sua verdadeira dignidade. Dignidade, hoje, tristemente tão deturpada… A mulher, segundo o Pe. Kentenich, deve ser reflexo da Mãe de Deus, de quem as virtudes devem ser imitadas: amor incondicional a Deus, fé prática na Divina Providência, silêncio, entrega, humildade… Assim, espelhando-se em Maria, conseguimos ver no esposo, nos filhos, genros, noras, netos como realmente são: filhos e filhas do Pai, que nos foram emprestados para serem cuidados, encaminhados de volta a Ele. Tarefa fácil? Nem de longe! Só mesmo implorando, por intercessão do Pe. José Kentenich, aspirar a mostrar a verdadeira dignidade da mulher, pelo ser e pelo agir. E viver a confiança vitoriosa, pois, como ele mesmo disse, a Mãe terá o perfeito cuidado. Cuidará de tudo, porque, com Pe. José Kentenich, aprendemos a trocar o coração com a Mãe de Deus”.

Maria Rita Viana, Liga das Mães de Schoenstatt, São Paulo/SP

Mulher profissional

“Quão grande é, pois, a dignidade do trabalho! É uma atividade semelhante ao reconhecimento e ao amor dos bem-aventurados no céu. Mais ainda, nosso trabalho é, embora muito mais imperfeitamente e, não raro, de uma forma diversa, uma participação na atividade criadora e comunicadora de Deus” (Pe. José Kentenich, Santidade de Todos os Dias)

“Sou Pedagoga e leciono em escolas públicas nos municípios de Paulista/PE e Recife/PE. Hoje a desvalorização profissional, a violência e a criminalidade são fatores que caminham lado a lado conosco. Porém, fazer parte da Família de Schoenstatt nos faz sermos diferentes. Em especial no ano do Pai. Seu método pedagógico, sua metodologia em 1912, como diretor espiritual junto aos jovens, me inspira. E sempre tenho em mente, quando entro nas escolas, suas sábias palavras: “Queremos aprender. Não somente vós, eu também. Aprenderemos uns dos outros, pois nossa aprendizagem nunca há de cessar, principalmente em se tratando da arte de autoeducação que é a obra de toda a nossa vida”. Assim, sob a orientação do Fundador e com as graças do Santuário, tento a cada dia ser uma pessoa melhor… Uma profissional melhor”.

Taciana Ferreira, Liga Apostólica Feminina de Schoenstatt, Olinda/PE

Mulher jovem

“Hoje, é igualmente uma juventude pura, olhos puros, corações puros e abertos para os mais elevados ideais. Outrora, a Mãe de Deus colocou sua tarefa nas mãos de uma juventude assim. Agora, o mesmo grande acontecimento” (Pe. José Kentenich à Juventude Feminina).

“Cresci dentro do Movimento de Schoenstatt, por isso o Pe. Kentenich sempre foi uma figura muito presente em minha vida, como um exemplo e educador. Admiro muito o quanto ele era imerso em Cristo, o quanto ele amava e se dedicava pela missão que Deus lhe confiou. Sua vida e seu exemplo são como uma luz para mim. Procuro me espelhar em suas atitudes, em sua confiança ilimitada na Divina Providência, em seu amor e em sua vinculação à Mãe de Deus. Vejo o carisma e a vida de nosso Pai como uma resposta para o mundo de hoje, e esse carisma me abre horizontes, me dá um rumo, um “norte”. Em um mundo que apresenta alegrias e sonhos tão efêmeros, acho lindo e me inspira o fato do Pai trazer a ideia de ideal, de uma missão de vida! Além de exemplo, também considero o Pe. Kentenich como meu orientador. Quantas vezes busquei ajuda em seus textos, em seus “telefoninhos” e tive retorno! Quando, por vezes, ocorrem contratempos, o Pai e Fundador é meu intercessor e minha resposta, ele é essencial para mim”.

Maria Gabriela Nassif, Juventude Feminina de Schoenstatt, Londrina/PR

Matéria retirada do site www.schoenstatt.org.br

Seja o primeiro a comentar em "Ser mulher segundo o coração do Pai e Fundador!"

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.


*