Regional: Sudeste

Fundação: 1971

                No ano de 1966 os Padres de Schoenstatt assumiram o cuidado pastoral e administrativo da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, no bairro do Jaraguá, em São Paulo-SP. Pe. Roberto Ostheimer e Pe. Gilberto Cavanni firmaram esse compromisso, em nome do Instituto Secular, no dia 13 de junho de 1966.

                No início de 1967, Pe. Celestino reuniu um grupo de moças ao qual dava formação baseada na pedagogia de Schoenstatt. Elas não se denominavam “Juventude Feminina de Schoenstatt”, mas eram a semente da Jufem que nasceria no Bairro do Jaraguá. Dessas, surgiram duas vocações para o Instituto das Irmãs de Maria – Ir. M. Zilda Fernandes e Ir. Palmira Hirota – e para outros ramos e comunidades do movimento.

                Com o avanço na formação o grande grupo dividiu-se em dois: “Sinos do Santuário” e “Velas do Santuário”. Os nomes forma escolhidos baseado nas conquistas para o futuro Santuário. Ainda não havia um Santuário em São Paulo, mas a vinculação entre a Família de Schoenstatt do Jaraguá e da Vila Mariana já existia. À época, as meninas trocavam cartas com a Juventude de Londrina e de Santa Maria e se fortaleciam ainda mais. Dos grupos surge o “Cruzada Eucarística”, o primeiro a se denominar “Juventude Feminina”. As oito jovens empenhavam-se para a Construção do Santuário.

                Em 30 de maio de 1969 a Mãe Rainha estabelece seu trono de graças no bairro do Jaraguá, com a inauguração do Santuário Tabor Cor Unum in Corde Patris.

                O sentimento de pertença à Juventude Feminina foi definitivamente marcado com a participação de quatro jovens do local no primeiro Encontro Nacional de Guias da Jufem, que aconteceu de 15 à 29 de julho de 1971 em Londrina/PR. Em 1972 a Família de Schoenstatt do Brasil comemorava os 25 anos da primeira visita do Pai e Fundador ao país, e a Jufem começou a preparar sua resposta de gratidão à esse momento histórico. A dádiva jubilar que a Jufem do Jaraguá e da Vila Mariana escolheram conquistar foi a Taça Lirial.

                Em 08 de dezembro de 1973 é celebrada a Aliança de Amor do primeiro grupo da Jufem e, exatamente dois anos depois, em 8 de dezembro de 1975, o segundo grupo se consagra à MTA. Em 1991 um novo grupo surgiu e, pouco tempo depois, eram 30 jovens divididas em cinco grupos. O entusiasmo das primeiras contagiou a todas profundamente. A partir daí elas trabalharam para estruturar a Jufem, elegeram novas dirigentes de ramo, introduziram-se nos ideais de Schoenstatt, selaram mais Alianças de Amor e reconquistaram a Taça Lirial.

                Desde então, a Jufem Jaraguá vem crescendo e repassando para as demais gerações o ardor de ser Lírio do Pai, Tabor para o mundo! As jovens participam ativamente de todos os encontros da Jufem, Regionais, Nacionais e Internacionais, do Jubileu de 100 anos de Schoenstatt, trabalhando nos preparativos da Família do Jaraguá para esse grande dia, mas também com representantes que puderam estar em Schoenstatt em 2014.

                Durante o ano de 2015, a Jufem Jaraguá se empenhou em reformar a casa Nazaré, compartilhada por todo ramo feminino local. Depois do roubo da Cruz da Unidade do local, após muitos Capitais de Graças pela reconquista, a Jufem esteve unida, como ramo e juventude, para que a Cruz fosse recolocada.

2017 foi um ano florido para as meninas do Jaraguá. Celebrando os 50 anos de fundação, revisitaram o passado e as pessoas que fizeram parte da história brilhante do local. Café e muitas conversas marcaram o Encontro de Gerações.

                Em 2019 a Jufem vivenciou mais comemorações jubilares. O aniversário de 50 anos do Santuário local marcou a vida dessa geração! Além disso, a casa da coluna feminina tornou-se re-habitável. Reuniões, retiros e atividades do ramo voltaram a acontecer por lá.

                Atualmente o ramo conta com 50 jovens e 45 Apóstolas Luzentes de Maria.